Arquivo da tag: Intolerância à Lactose

Seis poderosas dicas para conviver com a Intolerância à Lactose

lactose-intolerância Criei este blog em fevereiro de 2012, logo que descobri que fiquei Intolerante à Lactose. Assim como encontrei na internet relatos e dicas que me ajudaram a conviver com a Intolerância à Lactose, queria compartilhar com vocês o que aprendi e descobri desde então. Descobrir mais pessoas que convivem com o mesmo problema, ajuda a lidar com a IL de um jeito mais saudável.

Só para deixar claro, você não está doente porque ficou Intolerante à Lactose. A Intolerância à Lactose não é uma doença. Trata-se de uma desordem do aparelho digestivo, que ocorre pela ausência ou pouca produção da enzima lactase, principalmente em indivíduos adultos. Essa enzima, a lactase, serve para quebrar a lactose – o açúcar do leite, permitindo que ele seja transformado em glicose e galactose, e sejam absorvidos pelo corpo. Quando transformação não acontece, a lactose permanece no intestino, onde é fermentada por bactérias, causando geralmente desconforto abdominal, gases e diarreia.

Nos adultos, a Intolerância à Lactose pode surgir em qualquer fase da vida, porém tende a piorar com o avanço da idade, sendo mais comum e mais grave entre idosos.

Não existe tratamento capaz de fazer o corpo humano voltar a produzir a lactase. Contudo, os sintomas podem ser facilmente controlados com dieta restritiva de lactose.

Para ajudar quem já tem IL faz tempo ou quem descobriu recentemente, segue uma lista com seis poderosas dicas para conviver com a Intolerância à Lactose.médico-ou-nutricionista1- Procure um especialista
Não adianta achar que tem Intolerância à Lactose e cortar os derivados de leite da sua dieta sem necessidade. Produtos lactéos são importantes fontes de nutrientes, vitaminas e minerais para o nosso organismo e nos privar destes alimentos sem necessidade é prejudicial. Por isso, procure um médico ou uma nutricionista e solicite o pedido para fazer o Teste de Tolerância à Lactose.Alimentacao-equilibrada2 – Tenha uma alimentação equilibrada
Se você procurou um médico, fez o teste e ficou confirmada sua Intolerância à Lactose, agora é hora de você fazer a sua parte. É preciso fazer uma mudança verdadeira e permanente de hábitos. Em primeiro lugar, altere sua dieta. Corte a lactose – leite e derivados, ou substitua por produtos zero lactose (já acrescidos da enzima lactase).

A falta de produtos lácteos costuma causar uma redução dos índices de vitamina B12 no organismo. Procure um nutricionista para auxiliar na elaboração de um cardápio equilibrado, rico em alimentos de origem animal.

Também é importante que você reduza a ingestão de biscoitos, pães e bolos industrializados, assim como embutidos. Eles contém traços de leite por serem preparados em locais onde são processados produtos com leite. Dependendo do nível da sua intolerância, traço de leite já faz passar mal.lendo-rótulos3- Leia os rótulos
Como saber o que é seguro comer dentre as diversas opções de produtos industrializados? Leia os rótulos! Dá trabalho, mas aumenta e muito sua segurança alimentar. Você vai descobrir, por exemplo, que a maioria dos adoçantes em pó tem lactose.

4- Faça uma suplementação de cálcio na sua dieta
Calma, não é pra sair comprando os primeiros comprimidos de cálcio que você encontrar na farmácia. Mas sim, aumentar a ingestão de alimentos que contenham cálcio. Esses são alguns dos alimentos com elevados índices de cálcio: amêndoas, gergelim, castanha do Pará, sardinha, salmão, feijão, grão de bico, aveia, couve, brócolis, beterraba e laranja. Uma nutricionista poderá ajudá-lo a elaborar um cardápio rico em cálcio.

5- Tome sol
Também não adiantar aumentar o cálcio da sua alimentação se você não conseguir fixá-lo no seu organismo. Para isso, você precisa tomar sol. É a forma mais barata e prática de aumentar o nível de Vitamina D do seu organismo. Lembre-se de que o horário seguro para tomar sol é até às 10 horas e após às 16 horas. O gastroenterologista ou um endocrinologista podem solicitar o exame de sangue que indica a quantidade de vitamina D do seu organismo e dar as orientações necessárias para elevar o nível da vitamina no seu corpo.

atividades-fisicas6 – Pratique exercícios físicos regularmente
O que isso tem à ver com a Intolerância à Lactose? Diretamente nada, mas a prática regular de atividade física fortalece os músculos, os ossos, os tendões, acelera o metabolismo e ajuda a aumetar sua resistência imunológica. Isto é, melhora sua qualidade de vida como um todo. Estes já não são motivos suficientes para você começar a malhar?

Mais duas dicas bônus:
chá-erva-doce→ Tenha sempre em casa chás de Erva Doce, de Maracujá e de Camomila.
Chá de Erva Doce auxilia a diminiur o inchaço e os gases que se acumulam no abdômem, principalmente quando ingerimos produtos com lactose. E pra quê os chás de Maracujá e Camomila? Para ajudar a diminuir a ansiedade que a gente fica logo que descobre ser Intolerante à Lactose.

→ Comece a preparar seus próprios alimentos
Ok, sei que não é todo mundo que gosta ou tem interesse em culinária. Mas, para quem quiser experimentar, preparar nossos próprios pães, bolos, biscoitos, tortas, sobremesas e porque não, almoço e jantar, é bastante gratificante, além de garantir nossa segurança alimentar. Isto é, quando preparamos nossos alimentos, sabemos quais são os ingredientes e temos certeza de que não tem lactose no que vamos comer.

Fora, que produtos caseiros são mais saborosos. Outro dia, comprei waffer e um biscoito recheado, que só continham traços de leite (minha IL é moderada). Não achei a menor graça nesses produtos. Só tem gosto de açúcar e essências artificiais. O que eu faço em casa, cujas receitas compartilho com vocês, é muito mais gostoso.

Com estas dicas, você vai conseguir conviver com a Intolerância à Lactose de maneira mais tranquila do que imaginava. Dá trabalho e é um tanto mais caro do que a alimentação sem restrições. Mas se você seguir estas poderosas dicas, vai evitar aquelas incômodas cólicas e os gases, entre outros sintomas.

E você, quer compartilhar o que faz para conviver com a sua Intolerância à Lactose?

Você precisa ler os rótulos!

Lendo rótuloQuando descobri que era Intolerante à Lactose, procurei um gastroenterologista para me orientar sobre como conviver com esta condição. A primeira coisa que ele me disse foi: “Leia os rótulos! A maioria dos alimentos industrializados contém leite, ou traços de leite na sua composição”.  Tomei aquela regra para mim como uma verdadeira lei. De lá pra cá, a leitura de rótulos passou a ser parte da minha rotina. O que me salvou de diversos apuros, pois um simples biscoito tipo água e sal pode ter traços de leite. Minha IL não é severa, mas é sempre melhor prevenir do que remediar…

Já repararam que eu sempre coloco a lista de ingredientes e a tabela nutricional dos produtos que comento aqui no blog? Foi lendo atentamente estes dois elementos das embalagens que comecei a descobrir inúmeros produtos que são seguros para serem ingeridos por quem tem Intolerância à Lactose, principalmente em lanches rápidos quando estamos na rua. E continuo sempre em busca de novidades para compartilhar com vocês.lupa no rótulo

Entendendo os rótulos
O rótulo dos alimentos traz informações sobre a composição e a origem dos produtos. Assim é possível ter um melhor controle e a redução de riscos da gente comer algo que vai fazer mal.

Devemos sempre verificar o rótulo (fabricante, o lote, os prazos de validade), a tabela nutricional (valor energético, proteínas, gorduras, carboidratos e fibras, e valores de ingestão diários) e a relação de ingredientes. Os ingredientes utilizados para a fabricação do produto alimentar são apresentados em ordem decrescente. O primeiro ingrediente está em maior quantidade no produto, e o último, em menor quantidade. Quer um exemplo? Nos adoçantes em pó, a lactose é o principal ingrediente.rotulos

A tabela nutricional traz basicamente as seguintes informações:

  • Porção – Quantidade média do alimento consumida por pessoas adultas.
  • %VD – Percentual de valores diários e uma média de consumo calórico para um adulto saudável em relação a uma dieta de 2000 calorias.
  • Valor energético – Quantidade de energia em cada porção do alimento. É expressa na forma de calorias (kcal) e quilojoules (kJ).
  • Carboidratos – Têm como principal função o fornecimento de energia. Podem aparecer de forma mais detalhada indicando a quantidade de lactose, glicose, galactose, como no caso de leites de baixa lactose;
  • Açúcares – Indica a quantidade de açúcar contido nos alimentos, mas nem todos os produtos separam o açúcar do carboidrato na tabela.
  • Proteínas – Necessárias para a construção e manutenção dos nossos órgãos, tecidos.
  • Gorduras totais – Soma das gorduras de todos os tipos presentes no produto, tanto de origem animal quanto vegetal. Indicam a soma das gorduras trans, saturadas e insaturadas.
  • Gorduras saturadas – São as gorduras presentes nos alimentos de origem animal.
  • Gordura trans –  O consumo desse tipo de gordura deve ser muito reduzido, porque pode aumentar o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Dê preferência à produtos sem gordura trans.
  • Fibra alimentar – A ingestão de fibras auxilia no funcionamento do intestino.
  • Sódio – O consumo excessivo pode levar a um aumento da pressão arterial.

_rotulos_de_alimentosTambém podem aparecer outras informações como:

  • Colesterol – Deve ser avaliado por quem está com o colesterol LDL elevado.
  • Gorduras insaturadas: monoinsaturadas e poli-insaturadas – São as chamadas “gorduras boas” e fazem bem à saúde;
  • Cálcio – As mais comuns fontes de cálcio são o leite e os derivados. Nós Intolerantes à Lactose precisamos fazer suplementação de cálcio com outros tipos alimentos, por isso é importante ficar atento para os alimentos enriquecidos com cálcio;
  • Vitaminas – Alguns produtos como farinha, achocolatado e biscoitos industrializados são enriquecidos com vitaminas;
  • Lactose – Costuma ser descriminada no caso dos derivados de leite de baixa ou zero lactose (porque tem a lactase na composição).

A Universidade Federal de Alfenas – Unifenas disponibilizou em seu site uma interessante cartilha com dicas e exemplos sobre a leitura dos rótulos dos alimentos.lendo o rótulo

Com estas informações, espero ter ajudado a destacar a importância da leitura dos rótulos dos alimentos para quem quer ter uma alimentação mais saudável e, principalmente, para nós que convivemos com a IL. Precisamos lembrar que temos uma restrição alimentar e que insistir em ingerir lactose vai trazer muita dor de barriga, entre outros desconfortos.

E você, está atento ao que come? Quer compartilhar sua experiência com a gente?

Lei Da Lactose

leilactoseAmigos, preciso da ajuda de vocês: como já sabem, tenho Intolerância à Lactose e estou apoiando um abaixo assinado que pede a LEI DA LACTOSE, obrigando os fabricantes a informarem se os alimentos têm ou não têm lactose.

Ajude assinando o abaixo assinado, é rápido e fácil. www.change.org/LeiDaLactose

Lactase ajuda, mas não resolve!

Outro dia, descobri à duras penas que tomar comprimidos de lactase ajuda, mas não resolve, nem salva. O gastroenterologista já tinha avisado que para usar lactase, é preciso conhecer seu limite de Intolerância à Lactose. Agora entendo bem o porquê. ilTomar os comprimidos de lactase amplia nosso limite de ingestão de derivados de leite, mas não infinitamente. Por exemplo, usando a lactase, podemos com segurança tomar algumas bolas de sorvete. Mas não vai salvar no caso de um festival de sorvete. Assim como garante que a gente possa comer umas fatias de pizza, mas não resolve se você se empanturrar num rodízio. dor-abdominalO que aconteceu comigo é que chutei o balde numa festa na casa de uma amiga. Tomei dois comprimidos de lactase no começo da tarde, mas fiquei o resto do dia e parte da noite me deliciando com cookies, cupcakes recheados, pão de queijo, tudo com muita lactose. 

DesidrataçãoComo resultado: diarreia, desidratação, dores abdominais, indisposição, gases, barriga inchada. Foram quase três dias para conseguir me recuperar. E o aprendizado da importância de conhecer, e respeitar, os próprios limites. Quer comer até ficar lotada gostosuras e quitutes? Mais do que ter sempre à mão seus comprimidos de lactase, prefira (ou prepare você mesma) delícias sem lactose.

Biscoito a 34 mãos

No dia 02 de março, sábado, preparei uma adaptação da receita Biscoitinhos de Canela da Glau (http://www.diariosemlactose.com/2012/02/biscoitinhos-de-canela-da-glau.html)  junto com um grupo de 17 crianças e adolescentes do Espaço Criança Esperança de Belo Horizonte, onde atuo como Supervisora de Cultura. Foi uma adaptação porque não usei cacau, nem conhaque e nem canela, porque uma das educandas é alérgica. Para compensar, coloquei mais essência de baunilha. Além de fazer a receita, participei de um bate-papo com a turma, respondendo as perguntas, falando sobre Intolerância à Lactose, dificuldades e superação.

Foto: Fabiana Alves - Arquivo: ECE-BH

Foto: Fabiana Alves – Arquivo: ECE-BH

A atividade pode ser conferida no link http://criancaesperanca.globo.com/platb/ecebh/2013/03/13/superando-barreiras-no-boca-livre/ .

A receita ficou assim:
Ingredientes
– 4 xícaras de farinha de trigo
– 400 gramas de creme vegetal sem lactose em temperatura ambiente
– 2 xícaras de açúcar refinado
– 2 colheres de chá de fermento
– 2 pitadinhas de sal
– 4 colheres de sopa de achocolatado sem lactose
– Meio vidro de essência de baunilha

Preparo: Coloque tudo numa travessa e amasse com as mãos e pronto! A massa que se forma não gruda nas mãos, fica até um pouquinho oleosa. Se o creme vegetal estiver em temperatura ambiente, fica mais fácil ainda.  Depois modele os biscoitinhos da maneira que quiser.  Coloque para assar em assadeira grande untada, forno pré-aquecido a 180 graus por, em média, aproximadamente 20 minutos. O tempo depende do tamanho dos biscoitos feitos. Para ter certeza de que os biscoitos estão prontos, prove um deles e verifique se o centro está cozido e seco. Se estiver com coloração muito diferente é porque ainda não deu o ponto. Deixe por mais alguns minutinhos.  Retirados do fogo, é só saborear!

Qual é o seu limite?

Ontem retornei ao Gastroenterologista. Ele reforçou que é necessário que eu descubra qual é o meu limite de intolerância à lactose. Que preciso saber disso para ligar com a condição com mais segurança e para o caso de vir a usar Lactaid. Comentou ainda que esta lactase sintética é cara, não é facilmente manipulada em qualquer laboratório e que para ser usada, é necessário que o indivíduo conheça bem o seu estado e o seu limite.

Confesso que isso é um desafio para mim. É muito mais fácil ser lactose zero do que ficar testando. Fora que o emocional não colabora e a gente fica sem saber se está sentindo algo e se acha que está sentindo algo. Bem, ontem comi um subway com queijo e experimentei um potinho pequeno de sorvete Häagen-Dazs e até agora acho que estou bem.

O médico destacou ainda que preciso ficar menos ansiosa e que devo voltar a praticar atividade física. “Demorô”

Mais leites de baixa lactose

Encontrei recentemente no mercado mais duas opções de leite de baixa lactose.

O sabor é bom, o preço também. Uma boa descoberta.

Esse aí passou a ser o meu favorito! Além da boa relação custo-benefício (aproximadamente R$3,30), é ZERO lactose. Agora, posso voltar a beber leite e a fazer as receitas da minha preferência com segurança.

Enquanto isso, o preço do leite de soja continua nas alturas…